quarta-feira, 19 de junho de 2019

O que você vai ser quando seu filho crescer?


Você está preparado para quando seus filhos crescerem? O que vai ser de você, quando chegar o momento deles seguirem outro rumo na vida e não estiverem mais próximos? Ao que tudo indica, poucos pais se dão a este trabalho, de planejar ou até mesmo imaginar esta possibilidade.
Para a maioria deles esta é uma situação que não se pensa, pois ainda se mantém a ilusão de que a relação com seus filhos será sempre da mesma forma, com total ascendência sobre eles e presença constante.
Mas como as mudanças na vida são inevitáveis, eles também crescem passando então a ter sonhos e desejos próprios, e nesta hora as previsões que foram feitas pelos pais começam a ter o rumo alterado.
Se verificar, é provável que aconteça da mesma forma como foi com você, quando também teve a necessidade de sair de casa em busca das suas realizações.
Porém como estamos falando dos nossos filhos e não dos filhos dos outros, é nesta hora que demonstramos estar totalmente despreparados. Embora exista a possibilidade de termos feito o mesmo percurso, achávamo
s que conosco seria diferente ou então, nem nos demos o trabalho de pensar sobre isso.
Quando acontece desta forma, na medida em que os filhos buscam outros caminhos, os pais começam então a ter sentimentos de solidão, de abandono e dependendo de como conduziram seus lares, uma sensação de vazio pode estar se instalando.
Mas boa parte destes sentimentos pode ser evitada. Se você se preparar para esta possível separação vai conseguir superar, caso contrário pode ter sérios problemas para dar sequencia a sua vida sem aquelas aspirações e preocupações rotineiras de um pai ou uma mãe que zela e cuida do seu filho.
Fique atento, pois por mais que você saiba ou concorde com a afirmativa: de que “criamos os filhos para o mundo”, poucos de nós se encontram em condições de realmente aceitar esta máxima sem se atordoar, ou até mesmo se abalar.
Faça o esforço que for possível para cumprir os papéis de pais, mas não abram mão das necessidades e desejos pessoais, pois são estas mesmas realizações que nos potencializa para continuarmos oferecendo carinho e atenção àqueles a quem amamos.
Dê a eles os recursos necessários, oferecendo conforto, segurança e condições ideais para o seu desenvolvimento, mas não se esqueça de que após a saída dos filhos da sua casa, a vida precisa continuar.
Distribua seu tempo entre as responsabilidades como pais, os cuidados familiares e suas realizações pessoais, para que o equilíbrio entre o dar e receber esteja sempre presente, nos habilitando a continuar servindo e ao mesmo tempo nos beneficiando das conquistas pessoais, tão importantes em nossas vidas.


Augusto Amaral Dutra.
Psicólogo Clínico. Fone (11) 9 9933 5486

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Porque pessoas se atrasam?


Quando você observa o comportamento daqueles que habitualmente costumam não respeitar horários, percebe que são inúmeras as possibilidades que fazem com que a hora marcada não seja respeitada. E mais ainda, percebe que infelizmente em algumas delas esta atitude é recorrente.
O detalhe é que às vezes não é somente uma questão de irresponsabilidade ou desconsideração para com o compromisso ou tarefa, alguns atrasam por considerar chique. Pode isso? A pessoa se dispõe a se atrasar propositadamente, pois quer chegar quando todos já estão lá. Talvez uma necessidade de ser mais notado, um desejo de que outros sintam sua falta, de sentir-se importante, etc.
Alguns atrasos até viraram tradição como o atraso da noiva, outros ainda acontecem de maneira programada como o começo de uma palestra ou de um show.  Alguns casos se transformam até mesmo numa bola de neve, pois já se sabe que alguns vão chegar atrasados, então outros se atrasam, pois têm certeza de que outros farão a mesma coisa e desta forma nada começa na hora marcada. Pura falta de consideração e respeito com quem é educado e chega no horário.
Mas tudo é uma questão de viver exatamente da forma que aprendeu a fazer. Na vida, muito dos nossos hábitos são adquiridos por experiência e observação, principalmente no período da infância, pois é quando você tem sua mente à disposição, totalmente aberta para o novo e com poucos conteúdos para o questionamento. Você apenas observa, repete e aprende.
A importância deste tipo de conduta, ser pontual, deve ser mais um dos inúmeros conteúdos de aprendizado da qual os pais são responsáveis. É dever dos pais ensinar principalmente que, se você se atrasa, está causando um prejuízo ou contratempo ao outro e que acima de tudo, atitudes como estas têm consequências.
Pode parecer exagero, mas quando você é pontual, está sendo integro com você mesmo, com seus objetivos, com suas metas. Comportamentos como estes te levam a estar sempre se policiando para que suas ações estejam de acordo com o que planeja, de acordo com suas metas.
O contrário disso é alguém que chega sempre depois. E isso se estende para outras relações na sua vida. Chega depois para uma entrevista de emprego, chega atrasado para fazer uma prova na faculdade e assim não tem tempo para relaxar e se preparar emocionalmente para a tarefa. Faz tudo de ultima hora, pois está atrasado. Deixa sempre para depois, pois não tem o hábito de realizar as coisas no seu tempo correto. A vida passa e ele nem percebe, pois está sempre atrás. Pode parecer preciosismo, mas observe que somos pessoas por inteiro onde nossos comportamentos são estendidos para todas as nossas relações. No fim somos o que somos em qualquer situação ou ambiente.
Para quem mora em uma metrópole como São Paulo, onde você é obrigado a conviver com um transito caótico, a qualquer hora do dia e tem um compromisso do outro lado da cidade, existe uma infinidade de desculpas para se chegar atrasado. Mas será que procede? Pois se você mora em um lugar como este e sabe como as coisas aqui funcionam, torna-se difícil ter desculpas verdadeiramente coerentes. Então não tem outra solução, saia mais cedo. Tenha sempre em mente que imprevistos podem acontecer e se previna.
Já observou quantos jovens perdem um vestibular ou outro concurso qualquer, superimportante, por chegarem atrasados? É muito provável que haja nestes casos um mau planejamento do tempo de trajeto. E aí não tem desculpa, fica fora mesmo e perde a oportunidade.
Quando você é pontual demonstra ter responsabilidade e mais ainda, que você é uma pessoa que se importa com o outro que tem consideração por ele e que dá valor e importância ao que foi acertado.
Nunca podemos nos esquecer de que nossos hábitos e costumes são vivenciados em todos os ambientes da qual participamos, sendo assim ser pontual nos habilitará para resultados positivos na nossa vida, seja no trabalho, na escola, no relacionamento social, seja onde for. Temos somente a ganhar.
Se você gostou do tema, acesse também este vídeo no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=rD2oTblUF9I
Participação em uma reportagem sobre o tema Atrasos x Pontualidade.

Augusto Amaral Dutra.
Psicólogo Clínico. Fone (11) 9 9933 5486             
facebook – Augusto Amaral Dutra

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Medo, amigo ou inimigo?


O medo que você sente ao enfrentar algumas situações serve para lhe proteger ou está paralisando suas atitudes?  Se você tem dúvidas sobre isso, saiba que lidar com este estado emocional pode ter um significado importante nas suas conquistas e desejos.
O medo é saudável quando vivenciado em doses adequadas, pois se trata de um sentimento que age como integrante do nosso instinto natural de sobrevivência.  Isso acontece na medida em que nos deixa alerta para uma possível situação de perigo ou até mesmo num processo de preservação, importante e necessário. Como por exemplo: o medo de sofrer um acidente o deixa precavido, assim quando se debruça na janela você o faz com segurança; ou então leva você a ter mais atenção e cuidado ao atravessar a rua; etc.
Porém, pode ser também um grande inimigo quando este sentimento vem aliado a uma dose de insegurança pessoal, influenciando nos seus comportamentos e desejos. Paralisa suas ações, inibe seus estímulos e dificulta até mesmo a busca de solução para este possível desafio. Você passa a ver não somente a dificuldade, mas também a sofrer pelas prováveis consequências. Perceba inclusive que este sofrimento reflete também em você através de algumas reações orgânicas, causando tremores pelo corpo, suor excessivo, taquicardia e outros mais.
O detalhe é que na maioria das vezes, este medo excessivo não necessariamente é um fato real, mas está sim sendo construído na sua mente. Na medida em que você constrói esta imagem no seu pensamento ela passa a ter forças para se tornar realidade e o resultado disso é a paralisação total das suas ações, além das reações pelo seu corpo.
Ninguém melhor do que você mesmo para concluir isso e buscar forças de superação. Analise com cuidado este sentimento, avalie as consequências e verá que esta sensação de impotência pode sim ser superada.
Crie coragem para enfrentar, pois na pior das hipóteses, sua vida não estará em risco, nem mesmo sua saúde, apenas talvez, o seu orgulho. Não tenha medo de errar, nem mesmo de se expor, pois se mesmo assim algo sair errado resta ainda o aprendizado que o fará fazer melhor da próxima vez.  
E se assim for, você ganhará muito com isso. Vá em frente e seja feliz!


Augusto Amaral Dutra.
Psicólogo Clínico. Fone (11) 9 9933 5486

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Erro ou Acerto? Vou dar a meu filho tudo aquilo que não tive!


Eis aí uma fala que frequentemente é usada na maioria dos lares. Na ânsia de querer mostrar aos filhos que os ama, muitos pais enche-os não somente de carinhos e afetos, mas principalmente de mimos e bens materiais. Desta forma, acreditam que estão evitando que seus filhos passem pelas mesmas dificuldades que provavelmente passaram. Outros ainda, enganados sobre a importância de cada atitude, acreditam que somente os recursos materiais são suficientes para substituir o amor e o carinho que não conseguem oferecer, por julgarem não ter tempo.
Na ilusão de que estão provendo seus filhos nas suas necessidades, acabam deixando-os mal acostumados pelos possíveis excessos que oferecem. Não percebem, mas estão dando a eles pouca disposição para conseguir o que se quer com recursos próprios, já que não estão sendo treinados nem mesmo estimulados para tal. Têm tudo o que querem e na maioria das vezes, além do necessário.
Alguns teóricos da educação e desenvolvimento defendem que a melhor maneira de se desenvolver é através dos estímulos a que somos submetidos. Quando isso acontece, nosso cérebro reage buscando soluções, nossa mente viaja em busca de recursos, nosso ser se fortalece, pois o conjunto, corpo e mente, passa a trabalhar com mais intensidade.
Sem estes estímulos, tendo tudo o que se quer e muitas vezes, em proporção exagerada, estamos sem perceber, ensinando  nossos filhos que para ter, basta pedir. Alguns vão mais longe e aprendem que não é somente pedir, tem que chorar, fazer birra, jogar-se no chão etc. Aí sim conseguem.
Acontece que a vida não é exatamente assim, pois ela é cheia de surpresas e contradições, e temos que estar preparado para enfrenta-las, sendo assim é de sua responsabilidade permitir que seus filhos também tenham recursos para tal.
Nossos pais, devido algumas dificuldades que tinham no passado ou até mesmo pelo ambiente que viviam  exigiam mais de nós, pois começávamos a trabalhar mais cedo e éramos mais cobrados quanto aos resultados na escola, auxilio no lar, etc. Desta forma aprendíamos que não se pode ter tudo o que se quer e que não adiantava chorar, pois tínhamos que fazer jus, tínhamos que merecer.
Quem viveu nesta época, percebe que estes ensinamentos começam a fazer sentido na medida em que a vida lhe obriga a fazer escolhas, ter forças para superar rejeições e solução para as dificuldades que se apresentam.
Hoje infelizmente nossas crianças não estão sendo preparadas para estes enfrentamentos. Os pais estão mais preocupados em livrar-se de um problema do que assumir suas responsabilidades com a educação. Dizer sim é uma escolha muito cômoda, porém agindo assim você está apenas postergando ou até mesmo alimentando um mau costume, pois lá adiante as consequências poderão não ser boas.
Portanto não se esqueça das suas obrigações. Lógico que temos que prover nossos filhos de conforto e bem estar, porém temos que estar atentos aos excessos. Estar preocupados em oferecer aquilo que realmente necessitam, no momento certo, na hora certa. Temos que ensina-los a entender o valor de um não, pois somente assim estaremos preparando-os para terem um futuro sem traumas ou desequilíbrios e principalmente, provendo-os de coragem e recursos para as conquistas de cada um.

Augusto Amaral Dutra.
Psicólogo Clínico – CRP 06-125634 /  Fone (11) 9 9933 5486
skype: Augusto Amaral D




segunda-feira, 25 de junho de 2018

Terapia Focada na Solução


Para obter solução e respostas às suas dores e questionamentos, é necessário antes de tudo encontrar um “porto seguro” para depositar seus sofrimentos, suas verdades e angústias. A partir daí, os resultados virão naturalmente, envolvidos em um sentimento de força, poder e certeza. A entrevista inicial é determinante para sentir, ou não, esta confiança, pois somente com este vínculo estabelecido é que os resultados poderão surgir, em forma de transformação interior, trazendo outro olhar para a sua angústia, com mais alivio e confiança. Da mesma forma, eu também preciso me identificar com sua questão e saber se sou ou não o profissional adequado para acolher a sua demanda. Experimente!

Augusto Amaral Dutra.
Psicólogo Clínico – CRP 06-125634 /  Fone (11) 9 9933 5486
skype: Augusto Amaral Dutra
Blog: http://psicologiarenovada1.blogspot.com.br/



sábado, 12 de maio de 2018

Em que você está pensando agora?



Como andam seus pensamentos? Estão exatamente onde você se está? No momento presente, junto das atividades que está realizando?
Você é daqueles que tenta fazer muitas coisas ao mesmo tempo, e quando se dá conta percebe que o fez de maneira automática? Às vezes tendo que refazer ou conferir se fez realmente? Quantas ocasiões já teve que retornar à porta de casa ou do automóvel para conferir se realmente foi trancado, isso sem falar nos absurdos e infelizmente trágicas ocorrências de esquecimento de crianças dentro de carros, etc.
O que se pensa em um momento como este? Pensa nas tarefas, nos afazeres, nos compromissos e em tantas outras coisas, fazendo com que as ações sejam executadas de forma automática, sem perceber o que realmente está acontecendo a sua volta.
Pois é, parece que você não está sozinho nessa. Muitos de nós estamos agindo exatamente assim, vivendo a síndrome do “tudotemqueseragora”. Na ânsia de chegar a algum lugar, de cumprir uma tarefa não nos damos conta de que, na maioria das vezes estamos agindo como autômatos. E mais, perdendo excelentes oportunidades de viver melhor o tempo presente.
Pare, olhe a sua volta, preste atenção em você mesmo, respire fundo e relaxe. Você pode até ser uma pessoa superatarefada, com muitos compromissos para dar conta e pouco tempo para eles. Mas isso vale mesmo a pena? Será que realmente tem que ser desta forma? Não será somente uma questão de organização, planejamento ou simplesmente de estabelecer algumas prioridades para cada etapa ou momento do seu dia?
Observe e preste atenção, se fizer cada coisa ao seu tempo verá que no fim o resultado se amplia. Você se concentra mais, faz melhor suas tarefas, aproveita a cada momento, principalmente aqueles de lazer que você nem vê passar, pois está preocupado com as tarefas do dia seguinte.
Quem de nós já não se viu em uma situação como esta. Parece que a angústia e o desejo de realizar algo são tão intensos que faz nosso pensamento viajar, deslocando os sentimentos para algo distante e nos mantendo longe do que está ao nosso redor.
Muito bom quando estamos em meditação, sonhando ou até mesmo em períodos de descanso, mas ruim quando isso se mistura as nossos deveres diários.
Portanto fique atento, vamos juntos tentar esta nova maneira de executar as tarefas. Com mais atenção, concentração e cuidado para que tenhamos certeza daquilo que estamos fazendo. Desta forma estaremos vivendo e aproveitando melhor cada momento da nossa vida.


Augusto Amaral Dutra.
Psicólogo Clínico. Fone (11) 9 9933 5486
facebook – Augusto Amaral Dutra

segunda-feira, 22 de maio de 2017

A paz que você deseja.

Paz é um dos sentimentos mais desejados por nós. Mas o maior engano que cometemos é atribuir a conquista da paz às vontades do outro, seja de Deus, do santo de sua preferência, ou qualquer outro mortal.
Na verdade, não nos damos conta de que paz não é algo que se recebe, ou que você adquire em qualquer loja de virtudes, mas sim algo que se produz. A paz não vem até você, ela surge a partir de você.
A paz verdadeira está dentro de cada um de nós. Se seus sentimentos e emoções estão conflitantes ou em desequilíbrio, tudo a sua volta também parecerá perturbado. Não importa o lugar em que você esteja, no pico da mais alta montanha ou no lugar mais paradisíaco e encantador, se seu coração e sua mente estiverem com sentimentos perturbados você não estará bem, não estará em paz.
Agora, se estes mesmos sentimentos forem de confiança e serenidade, tudo a sua volta também parecerá em equilíbrio. Você pode estar no meio de um turbilhão de acontecimentos e no ambiente mais conturbado, se sua mente e seu coração estiverem em harmonia, você estará em paz.
Sendo assim, a responsabilidade pela paz não é do outro, não é dos governantes e não depende dos tratados que ainda não foram feitos. Ela começa dentro de você, a partir dos seus pensamentos e atitudes, e se estende para todos da sua relação, incluindo o seu lar, pois de nada adianta querer que a paz reine em todos os cantos do planeta se na sua casa não existe respeito e entendimento. Ela então se espalha a partir da forma como você se relaciona com seus pares, como os entende e os respeita, considerando que cada um de nós tem sentimentos e valores próprios que precisam ser compreendidos, e este é um dos princípios de paz.
Comece então a construir no seu interior a paz que tanto deseja. Para auxiliá-lo nesta tarefa, seguem algumas dicas que poderão contribuir e como reflexo, beneficiar a todos que estão a sua volta.

·        Oração -  Tenha sempre a oração em suas práticas diárias. Através dela você entra em contato com as forças que nos amparam. A oração tem o poder de apaziguar seu coração na medida em que te faz sentir que não está só nesta vida. Esta conversa com Deus pode lhe trazer a segurança que precisa para enfrentar seus desafios, fazendo-o compreender que tudo passa.

·        Paciência – Tenha paciência para esperar o momento certo para cada conquista. Acredite e confie, pois tudo na vida tem seu tempo de maturação. As árvores têm seu tempo para dar frutos, onde cada item na natureza também tem o seu momento de resultado. Somos regidos por esta lei para tudo o que nos envolve. Importante que você esteja sempre produzindo e fazendo algo para que seus desejos se realizem. Às vezes o resultado do que busca também depende de outros movimentos, de outros acontecimentos. Seja confiante, merecedor, e espere o momento certo para usufruir o que necessita.

·        Aceite a vida como ela é. – Confie, você está no lugar certo, no tempo certo e tem a vida que necessita. Não fomos criados para sofrer, mas para ter oportunidades de crescimento e amadurecimento espiritual, onde cada um de nós tem o que precisa para sua evolução. Transitamos por determinados níveis de amadurecimento com necessidades particulares e específicas. Sua família é a que você necessita, assim como seus pares, seu trabalho, suas escolhas, seus talentos, onde tudo compõe o rol de recursos que se ajustam as suas necessidades. O que é bom para um não necessariamente é bom para o outro, pois cada um de nós tem vícios que precisam ser elaborados e virtudes que precisam ser ampliadas.

·        Aceite o outro como ele é – Respeite as diferenças, os sentimentos e os pensamentos contrários ao seu. Uma das maiores causas de dor e sofrimento interior é não aceitar o comportamento ou as escolhas do outro. Cada um de nós tem características próprias e quando você não aceita isso, você se irrita. Esta irritação lhe faz sofrer, pois você não tem poder sobre as opções do outro, mas somente sobre si mesmo. Aceite, pois ele também terá o seu momento assim como você tem o seu.

·        Pratique o perdão – Releve seus sentimentos. A mágoa que traz no coração lhe deixa inquieto, aflora sua ansiedade e provoca um turbilhão de inquietações e dor. Na maioria das vezes estamos sofrendo por algo do passado que ainda não conseguimos transformar. Manter esta imagem viva dentro de você é potencializar uma dor por algo que não está mais presente e que não é mais real. Mas tente. Procure compreender o que provocou cada uma destas atitudes que você não consegue perdoar, e verá que o outro tem suas dificuldades e seu momento de imperfeição, da mesma forma que nós também os temos. Igualmente cometemos enganos, e na medida em que amadurecemos espiritualmente começamos a lutar para fazer diferente e diante disso, tudo o que queremos é ser perdoados e ter uma nova chance, sendo assim o outro também merece esta oportunidade. Quando você perdoa, seu coração se aquieta, seus sentimentos se acalmam e uma paz interior surge em você.

Portanto, a Paz que deseja depende somente de você. Produza-a primeiramente nos seus sentimentos, leve-a para seus pensamentos e transforme-as em atitudes. Comece já a refletir sobre as ações que deve tomar e faça-a brotar dentro de você. A partir daí sinta a paz e viva esta experiência tão almejada. Tente e seja Feliz.

Augusto Amaral Dutra.
Psicólogo Clínico – CRP 06-125634 /  Fone (11) 9 9933 5486
skype: Augusto Amaral Dutra

O que você vai ser quando seu filho crescer?

Você está preparado para quando seus filhos crescerem? O que vai ser de você, quando c...